Um milhão e meio de velas a favor da vida na Espanha

Por ocasião do IV Congresso Internacional Pró-Vida

| 2064 visitas

ZARAGOZA, quarta-feira, 1º de julho de 2009 (ZENIT.org).- A Associação O Telefone pela Vida e o IV Congresso Internacional Pró-Vida, que acontecerá em Zaragoza de 6 a 8 de novembro de 2009, promoveram a campanha “A toda vela”.

Nela se marca um ato no qual dez mil voluntários ascenderão um milhão e meio de velas e percorrerão o espaço que separa o Auditório e a praça do Pilar da capital aragonesa. 

Cada voluntário receberá 150 velas para que sejam acesas e formem assim uma grande cadeia de luz nas praças sem interromper o trânsito nem a atividade normal da cidade. 

As velas permanecerão acesas entre as dez e meia-noite do sábado, 7 de novembro, e serão recolhidas pelos próprios voluntários uma vez terminado o ato. 

Cada vela pretende recordar cada uma das crianças e jovens dentre 0 e 24 anos que faltam na Espanha desde que a lei do aborto foi aprovada em 1985, e também suas mães. 

As pessoas que desejarem podem apadrinhar quantas velas quiserem enviando seus donativos às contas habilitadas para o acontecimento, através de um SMS ao número 7745, com a palavra “VELA”, ou com outras formas que encontrarão na página www.actiweb.es/ATODAVELA

Até o momento, mais de 3.300 velas já foram apadrinhadas. Também pode-se colaborar como voluntário. 

O ato pretende chamar a atenção sobre o benefício que a presença dessa juventude reportaria hoje a nossa sociedade. 

Também visa arrecadar fundos para o IV Congresso Internacional Pró-Vida (www.zaragoza2009.org) e para um projeto de apoio às mulheres grávidas em situação de dificuldade. 

“Para que o aborto nunca seja proposto e muito menos por problemas econômicos ou por falta de apoio”, indicou o presidente de O Telefone pela Vida e membro do comitê organizador do congresso Antonio Gasós. 

Esta iniciativa também quer ser um chamado de atenção ao Governo e à sociedade em geral agora que se iniciaram os trâmites para aprovar uma nova lei do aborto. 

Esta reforma, advertiu Gasós, “facilitará à mulher a tomada de uma decisão que pode deixar sequelas negativas para toda sua vida”.