Um novo ano é como uma viagem

Palavras de Bento XVI ao recitar o primeiro Angelus do ano

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 1393 visitas

Ao final da Celebração Eucarística na Solenidade de Maria Santíssima Mãe de Deus e por ocasião do 46° Dia Mundial da Paz, o Santo Padre Bento XVI da janela do Palácio Apostólico Vaticano, antes de recitar o Angelus, dirigiu aos fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, as seguintes palavras:

Queridos irmãos e irmãs,

Bom ano a todos! Neste primeiro dia de 2013 gostaria de fazer chegar a cada homem e a cada mulher do mundo a benção de Deus. E o faço com a antiga fórmula contida na Sagrada Escritrua: “O Senhor te abençoe e te guarde. O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e se compadeça de ti. O Senhor volte para ti o seu rosto e te dê a paz” (Nm 6,24-26).

Como a luz e o calor do sol são uma benção para a terra, assim a luz de Deus o é para a humanidade, quando Ele faz brilhar sobre esta a sua face. E isto aconteceu com o nascimento de Jesus Cristo! Deus fez resplandecer para nós a sua face: inicialmente de maneira muito simples, escondido – em Belém apenas Maria e José e alguns pastores foram testemunhas desta revelação - mas aos poucos, como o sol que da aurora chega ao meio dia, a luz de Cristo cresceu e se difundiu por todas as partes.

No breve período de sua vida terrena, Jesus de Nazaré fez resplandecer a sua face de Deus sobre a Terra Santa; e depois, mediante a Igreja animada pelo seu Espírito, estendeu a todas as pessoas o Evangelho de paz. “Glória a Deus no mais alto dos céus, e paz na terra aos homens por ele amados" (Lc 2,14). Este é o canto dos anjos no Natal, e é o canto dos cristãos sob todo o céu; um canto que dos corações e das bocas passa a gestos concretos, nas ações de amor que constroem diálogo, compreensão e reconciliação.

Por isso, oito dias após o Natal, quando a Igreja, como a Virgem Maria Mãe de Deus, mostra ao mundo o recém nascido Jesus, Príncipe da Paz, celebramos o Dia Mundial da Paz. Sim, aquele Menino, que é o Verbo de Deus feito carne, veio trazer aos homens uma paz que o mundo não pode dar (cf João 14,27). A sua missão é derrubar o “muro da inimizade” (cf Ef 2,14). E quando, às margens do lago da Galiléia, Ele proclama suas “Bem-aventranças”, entre estas está também: “bem-aventurados os construtores da paz, porque serão chamados filhos de Deus” (Mt 5,9).

Quem são os construtores da paz? São todos aqueles que, dia a dia, procuram vencer o mal com o bem, com a força da verdade, com as armas da oração e do perdão, com o trabalho honesto e bem feito, com a busca cientifica a serviço da vida, com as obras de misericórdia físicas e espirituais. Os construtores da paz são muitos, mas não fazem rumor. Como o fermento na massa, fazem crescer a humanidade segundo o designo de Deus.

Neste primeiro Angelus do novo ano, peçamos a Maria Santíssima, Mãe de Deus, que nos abençoe, como a mamãe abençoa os seus filhos que devem partirem viagem. Um novo ano é como uma viagem: com a luz da graça de Deus, possa ser um caminho de paz para cada ser humano, para cada família, para cada país e para o mundo inteiro.

Após o Angelus o Papa dirigiu a seguinte saudação aos peregrinos de língua portuguesa:

A todos os povos e nações de língua portuguesa, aos seus lares e comunidades, aos seus governantes e instituições, desejo a paz do Céu que hoje vemos reclinada nos braços da Virgem Mãe. Feliz Ano Novo!

Tradução:MEM