Uma mãe para o Papa: Ajude meu filho, que está condenado à morte nos EUA

O advogado de Saldaño: "Um processo polêmico contra um jovem argentino envolvido em um assassinato no Texas "

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 335 visitas

Lidia Guerrero, a mãe de Victor Saldaño cumprimentou hoje o Papa Francisco. Acaba de chegar da Argentina para pedir ao Santo Padre que interceda contra a pena de morte e a discriminação racial. Um caso humanitário, seu filho, de 39 anos está nos ‘braços da morte’ há 17 anos. Pediu-lhe que se possível interceda para que seja transferido a uma prisão comum, enquanto espera a sentença do Tribunal da OEA.

A mãe de Victor Saldaño estava acompanhada pelos advogados Juan Carlos Veja, que leva o caso, assistido por Estevão Llamosa, e Andrea Poretti da comunidade de Santo Egídio.

Em 1994 Saldaño esteve envolvido nos EUA com um mexicano, no assassinato do texano Paul Ray King, na cidade de Plano. No primeiro juízo Saldaño é condenado à morte e preso em 1996 no Corredor da Morte. "A Suprema Corte dos Estados Unidos - explicou a ZENIT o defensor do jovem – anulou a primeira condenação contra Saldaño por vícios de discriminação racial".

E o advogado acrescentou que "no novo processo de 2005 voltou a ser condenado, sem a discriminação do primeiro mas estando mal de mente porque trancado no corredor da morte durante oito anos”.

"Agora, desde 1999, começamos por discriminação racial uma demanda contra os Estados Unidos, por violação da Declaração americana de direitos humanos’, citando o caso 12.254, e estamos aguardando o julgamento na Organização Interamericana”. E acrescentou que "se fosse outro o país do réu, a resposta teria chegado há muitos anos. Porque temos a máxima prova que é a sentença de anulação da Suprema corte dos Estados Unidos”.

"Vamos pedir ao Papa – concluiu o advogado – que fale forte contra a pena de morte e também a discriminação racial, e se possível, interceda para que tirem do ‘corredor da morte’ e vá a uma prisão comum enquanto procede o juízo”.

Trad.TS