Uma parceria: psicologia cristã

Corpo e alma numa perspectiva católica

| 2270 visitas

Por padre John Flynn, LC

Roma, 14 de junho de 2009 (Zenit.org ).- A psicologia e a fé podem  parecer improváveis parceiras, à primeira vista, mas elas são compatíveis, de acordo com uma  edição recente de uma revista profissional de psicologia.

De fato, a psicologia necessita de uma concepção da pessoa humana que possa descrever com precisão o que o nosso corpo e alma são, e como se relacionam. Além disso, faria bem reconhecer que os seres humanos têm tantos desejos naturais quanto transcendentais.

Esta foi a afirmação de abertura da recém-publicada "Questão católica", da revista  "Edification: A Journal of the Society of Christian Psychology" (vol. 3.1).

A questão foi confiada ao Instituto de Ciências Psicológicas (IPS), uma escola católica com graduação em psicologia em Arlington, Virgínia.

O ex-aluno da faculdade Christian Brugger, agora um professor associado no St. John Vianney Theological Seminary, serviu como editor convidado e escreveu o ensaio de  abertura em torno do qual muitas das contribuições se basearam.

Em seu artigo, Brugger salienta que, dado o objetivo da psicologia clínica de assistência humana florescer em termos da saúde mental de uma pessoa, é útil compreender a natureza da pessoa humana, baseando-a em uma antropologia idônea.

Como seres humanos, ele explicou, podemos ultrapassar as percepções e emoções do corpo, porque somos mais do que seres corporais e nossa faculdade de razão não é um órgão material.

Isto significa que a psicologia cristã garante a liberdade humana para autodireção racional e livre escolha, tanto quanto uma capacidade imaterial não determinada por leis físicas causais, Brugger concluiu.

O perigo da negação generalizada pelas ciências sociais seculares desta natureza imaterial da nossa razão é que não só abre as portas para afirmações radicais do determinismo, mas também nega a dimensão espiritual da pessoa humana, Brugger argumentou.

Comparando abordagens

Paul C. Vitz, da IPS, destacou algumas das diferenças em uma abordagem de psicologia cristã em comparação com uma visão secular em seu ensaio intitulado: "Teoria da Personalidade Reconcebível por uma perspectiva cristã católica."

Vitz notou que uma interpretação cristã da personalidade começa por assumir que Deus existe e que ele é uma pessoa com quem se está em um relacionamento. Se um psicólogo admite a existência de Deus e a validade de uma dimensão religiosa para a vida, isto tem a vantagem psicológica de lhes permitir tratar um cliente religioso com mais honestidade e maior respeito.

Grande parte da teoria secular da personalidade moderna, no entanto, é reducionista e presume que a experiência religiosa e ideais morais são causados por fenômenos subjacentes inferiores, Vitz explicou. Assim, na abordagem freudiana, o amor é reduzido ao desejo sexual, o desejo sexual à fisiologia; e a vida espiritual ou ideais artísticos são reduzidos a impulsos sexuais sublimados.

Em contrapartida, uma abordagem cristã é construcionista, segundo Vitz. Isto significa que enfatiza os mais altos aspectos da personalidade, como possuidores e frequentemente causadores ou transformadores dos aspectos mais baixos.

É, portanto, um método sintético, juntando coisas em um modelo integrado, enquanto o pensamento reducionista é analítico. Vitz admite que uma boa e nítida análise é um requisito importante. No entanto, a psicologia muito moderna tem-se limitado apenas a esta análise redutora, sem qualquer conceito integrado da pessoa humana.

Vitz também destacou o contraste, quando se trata de teoria da personalidade. Grande parte da abordagem secular vê a personalidade como um ente autônomo isolado. O cristianismo, no entanto, não presume que o objetivo da vida é a independência, ao invés disso dá um papel central para as relações.

"Cristianismo postula interdependência mútua e livremente escolhida, mas cuidando-se um do outro, como o principal tipo de relacionamento adulto", comentou Vitz.

Redescobrindo a virtude

Reivindicar a visão baseada na virtude da pessoa humana foi o tema do artigo “A Catholic Christian Positive Psychology: A Virtue Approach”, dos membros do IPS Craig Steven Titus e Frank Moncher.

Na verdade, filósofos clássicos como Aristóteles baseiam sua visão psicossocial sob  o ponto de vista da teoria da virtude, afirmaram.

Tal abordagem estuda a correlação potencial entre bem-estar psicológico e ética da bondade que são exibidas nas maiores virtudes. Isto contrasta com algumas abordagens seculares da psicologia que consideram a saúde mental como sendo simplesmente a ausência de doença.

Tito e Moncher comentaram que um nível básico de cada grande virtude é necessária, a fim de ser considerada psicologicamente saudável ou ter um bom caráter. Assim, "A psicoterapia cristã pode procurar não só a redução dos sintomas, mas também o desenvolvimento das virtudes adquiridas."

Num outro ensaio, Frank Moncher olha para as implicações das premissas antropológicas cristãs católicas especificamente para a psicologia em uma contribuição intitulada "Implications of Catholic Anthropology for Psychological Assessment".

É importante, argumenta ele, que um psicólogo tenha a total antropologia teológica e filosófica em mente quando avalia um cliente, e também ser internamente curioso para entender a cosmovisão do cliente e o sistema de valores.

Com freqüência, no entanto, os conhecimentos relativos às realidades transcendentais, normas morais, beleza estética e o desenvolvimento de virtudes são geralmente excluídos pelos tradicionais métodos clínicos.

Moncher também comentou que uma abertura à antropologia cristã é particularmente importante quando se trata de tarefas como a avaliação para a entrada dos candidatos ao sacerdócio ou da vida religiosa, ou no trabalho dos tribunais católicos que devem examinar a validade dos casamentos e da capacidade das pessoas para dar pleno e livre consentimento para seus votos de matrimônio.

Vocação

Bill Nordling e Phil Scrofani, membros do IPS, viraram a mesa e olharam para o que significa uma abordagem para o católico praticante, em seu ensaio, "Implications of a Catholic Anthropology for Developing a Catholic Approach to Psychotherapy".

Eles explicam por que o conceito de vocação é útil quando aplicado à carreira profissional de um terapeuta.

"Para um cristão, tornar-se um terapeuta pode ser uma resposta sem par a um chamado de Deus para prestar serviços de saúde mental para os clientes que sofrem", eles escreveram.

Sob esta luz, a tarefa do terapeuta não apenas envolve uma relação terapêutica com o cliente, mas é uma relação que vai além de negócios. "Exibir sua profissão escolhida como uma vocação pessoal motiva-o não apenas a observar a sua consciência ética profissional, mas também para a prática de acordo com princípios éticos católicos", Nordling e Scrofani acrescentaram.

Esta concepção baseada na vocação de ser terapeuta também irá servir para motivar quando trabalhar com um cliente é difícil, ou quando sacrifícios de tempo ou dinheiro são necessários.

A noção de uma vocação não apenas orientará a compreensão de um terapeuta ao cliente e ao tratamento, mas também irá orientar um terapeuta para entender que o cliente está inserido dentro de uma família, uma cultura, e muitas vezes uma tradição de fé.

"Este tipo de abordagem à psicoterapia demonstra um profundo respeito pela diversidade, iniciando com o princípio fundamental de que o cliente é uma única e irrepetível pessoa feita à imagem de Deus", Nordling e Scrofani comentaram. "Além disso, é um imperativo moral, em última instância, para permitir que o próprio cliente se torne definitivo para fazer livremente escolhas de acordo com a consciência."

Ao concluir a sua contribuição, o autor especificou que uma tal abordagem antropologicamente informada à psicoterapia não pode ser concebida como estando em oposição à ciência da psicologia.

Portanto, os métodos terapêuticos serão escolhidos com a consideração da sua comprovada eficácia.

Eles também admitiram que o principal foco de um terapeuta deve-se circunscrever ao funcionamento psicológico do cliente, deixando de lado questões mais específicas espirituais para sacerdotes e diretores espirituais.

Acima de tudo, a publicação fornece ideias instigantes sobre como uma antropologia baseada no cristianismo pode fornecer informações valiosas sobre a condição humana.

Na internet: "Edification" Catholic issue: http://christianpsych.org/wp_scp/wp-content/uploads/edification-31.pdf