Uma pequena esperança de que a Coréia do Norte ainda participe da Missa do Papa

Segundo fonte local "o Norte sempre espera até o último momento para tomar sua decisão final"

Roma, (Zenit.org) Redacao | 495 visitas

Na missa que o papa Francisco celebrará em Seoul, no próximo dia 18 de agosto, não haverá católicos norte-coreanos. Segundo emitido pela Associação dos católicos norte-coreanos (uma organização criada pelo regime de Pyongyang), de fato, a Coreia do Norte recusou o convite de Seoul porque o governo sul-coreano, acusa a Associação, não cancelou os exercícios conjuntos com os Estados Unidos, “gesto que faz com que seja impossível a visita". AsiaNews publica as palavras de um funcionário da Conferência Episcopal Sul-coreano, que afirma que "esta carta significa que o Norte tem dificuldade para aceitar o convite e lidar com o assunto".

O convite da Coréia do Sul foi feito no dia 26 de maio desse ano e repetido nos dias seguintes na ausência de uma resposta de Pyongyang. A missa celebrada pelo Santo Padre será apenas destinada à reconciliação e à paz, mas a Associação criada pelo regime afirmou que "nestas circunstâncias, vir a Seoul seria um passo em agonizante”.

A Associação afirma ter 3 mil "católicos" entre seus membros, mas fontes da AsiaNews estimam que existam menos de 800: formado principalmente por pessoas muito idosas, batizadas antes da Guerra da Coréia (que começou em 1950) e que não têm nenhuma maneira de praticar a fé. Em algumas ocasiões especiais, como Natal, é possível que os fieis sobreviventes troquem saugações “de paz”, mas nada mais que isso.

Permanece acessa uma pequena chama de esperança. AsiaNews relata as palavras de uma fonte local, segundo a qual "o Norte sempre espera até o último momento para tomar sua decisão final. E o fato de que quem respondeu ao convite foi a Associação e não o governo deixa alguma esperança de poder ver uma delegação norte-coreana na missa do dia 18”.