Uma vitória para a justiça no Paquistão

Absolvida a adolescente Rimsha Masih acusada de blasfêmia sob falsas provas

| 869 visitas

ROMA, quarta-feira, 21 de novembro de 2012(ZENIT.org) – Foi absolvida a jovem cristã Rimsha Masih, portadora de Síndrome de Down, acusada sob falsas provas por um imã (líder religioso) de Blasfêmia. Durante as investigações, Khalid Jadoon, imã da mesquista de Mehrabadi, foi acusado de plantar provas contra Rimsha. Ele será julgado por acusar falsamente

"Esta é uma vitória para a justiça no Paquistão. Nós confiamos desde o início. Dedicamos o veredicto de absolvição de Rimsha Masih a meu irmão Shahbaz Bhatti, que se empenhou tanto pelas vítimas inocentes da lei sobre a blasfêmia": é o que declara à Agência Fides Paul Bhatti, Ministro para a Harmonia e líder do APMA ("All Pakistan Minorities Alliance"), que administrou o caso de Rimsha. Paul Bhatti é irmão de Shahbaz Bhatti, Ministro federal para as Minorias, morto por terroristas em março de 2011 em Islamabad.

Rimsha foi liberada em 8 de setembro, após passar três semanas em uma penitenciária de adultos, depois da prisão do imã, que para incriminá-la teria colocado as páginas do Alcorão na bolsa da menina que tinha papel queimado. A polícia pediu ao Judiciário para absolver a menina e solicitou a incriminação do imã por falsificação de provas e blasfêmia.

Paul Bhatti, visivelmente comovido depois do pronunciamento do Juiz, disse à Fides: "A absolvição de Rimsha é uma belíssima notícia. Estou muito satisfeito. É um passo histórico para o Paquistão. É uma sentença que lança duas mensagens claras ao país. A primeira é à justiça: Podemos ter confiança em nosso sistema judicial. É importante crer no respeito da legalidade. A segunda é para aqueles que usaram ou querem abusar da lei sobre a blasfêmia com objetivos pessoais. É claro que a partir de agora, todo abuso será punido e serão evitadas vítimas inocentes". 

A All Pakistan Minorities Alliance lançou novamente a proposta de formar uma “Comissão Mista”, com líderes cristãos, especialistas, advogados e líderes muçulmanos que possa examinar antecipadamente os supostos casos de blasfêmia. O objetivo é evitar que episódios como o de Rimsha se repitam.

MEM