Uma voz pela paz

Cantora israelense Noa promove diálogo e amizade através de shows

Roma, (Zenit.org) Carlo Climati | 1097 visitas

A música é um meio de comunicação muito popular entre os jovens. Acompanha frequentemente o seu dia-a-dia, provendo uma trilha sonora constante para as suas vidas. Através das notas, podem ser enviadas mensagens e emoções, criando novas linguagens. João Paulo II, grande amante da arte, tinha entendido muito bem que a música é uma ferramenta sincera para conversar com a geração mais jovem, no seu próprio espaço de alegria e de espontaneidade.

O sinal mais evidente desse diálogo é representado pelos coros festivos dedicados ao papa nas Jornadas Mundiais da Juventude, que ainda acompanham Bento XVI. João Paulo II levantava os braços com a música, como se dissesse "Eu estou com vocês. Estou cantando com vocês. Estou feliz com vocês".

As mesmas músicas foram oferecidas pelos jovens na Praça de São Pedro durante as últimas horas da vida terrena do papa polonês. O diálogo musical se tornou uma linguagem tão profunda, tão consolidada, que não podia ser quebrado sequer naquela hora de sofrimento.

E os jovens continuaram cantando, mesmo nos momentos de dor, para dizer ao papa: "Estamos contigo, apertando a tua mão". Do mesmo jeito que ele tinha feito, tantas vezes, num abraço ideal.

A música é uma linguagem universal, capaz de romper todas as barreiras e de criar uma comunicação imediata, mesmo entre estranhos. As notas musicais, afinal, são escritas e lidas da mesma forma, em todas as partes do mundo.

Por esta razão, a linguagem da música ainda é a protagonista dos encontros de jovens com o papa, porque a música é um veículo de encontro e de diálogo imediato. Ela é também um símbolo da paz, que pode favorecer a amizade e uma comunicação mais espontânea.

Entre os artistas que acreditam na música como ferramenta para a paz e para o diálogo, temos a cantora israelense Noa, que em 17 de fevereiro fará um show no Auditório Parco della Musica, em Roma.

Noa volta ao auditório após uma noite encantadora em 2010, organizada pela Adei Wizo, Associação das Mulheres Judias da Itália. Na ocasião, em entrevista ao site Romasette.it, a cantora disse: "Somos mães, irmãs, esposas. Mulheres com carreira profissional, construtivas, pensadoras. Somos empreendedoras, criativas, compassivas e muito inteligentes. Conhecemos a amizade, damos a vida. E somos teimosas. Todas essas qualidades devem ser usadas continuamente no serviço da paz".

Aquele foi um importante concerto de angariação de fundos para o projeto "Casa Aquecida", destinado a meninas e mulheres jovens sem família e marginalizadas da sociedade, que vivem à mercê de ambientes perigosos.

Durante a sua carreira musical, Noa já trabalhou com artistas extraordinários como Pat Metheny, Pino Daniele, Stevie Wonder e Carlos Santana. Participou no concerto de Natal do Vaticano em 2004 e no VII Encontro Mundial das Famílias em Milão, em 2012.

O show de 17 de fevereiro de 2013, no Auditório Parco della Musica, em Roma, será particularmente interessante. O título será "Noapolis". A apresentação será uma homenagem à música napolitana, do século XV aos clássicos de Roberto Murolo. Noa terá o acompanhamento do guitarrista Gil Dor e do Quarteto de Cordas Solis, em mistura única de pop, jazz e world music.

No site do Parco della Musica (www.auditorium.com), a cantora descreve sua paixão por Nápoles: "Israel e Nápoles: tanta gente em áreas tão minúsculas, povos migrantes que se espalharam pelo mundo todo, que zarparam para escapar de guerras, de incêndios, de saques, mas com o pensamento sempre voltado para casa. Sião e Nápoles: persiste sempre o desejo ‘e turnà[de voltar]! E, claro, o forte senso de ironia, que é uma consequência direta do sofrimento".

Noa volta ao palco para cantar com paixão e humanidade. Suas notas não são somente notas musicais, mas sorrisos e abraços lançados como ponte para o outro, em diálogo sem fim de amizade e de paz.