União Europeia: quase dois milhões de assinaturas para combater a destruição de embriões humanos

Grande sucesso do abaixo-assinado Um de nós em defesa da vida nascente: Pontifício Conselho para a Família destaca apoio transversal obtido pela campanha

Roma, (Zenit.org) | 618 visitas

O processo de coleta de assinaturas para o abaixo-assinado popular europeu “Um de Nós” foi encerrado com grande sucesso. Vinte países superaram o mínimo de assinaturas necessárias e mais de 1.800.000 foram conseguidas em toda a Europa. Os países com o maior número de adesões são a Itália, a Polônia, a Alemanha, a Romênia, a França e a Espanha.

A partir de agora, as autoridades nacionais competentes têm três meses para validar as assinaturas. A Comissão Europeia e o Parlamento se reunirão depois com os organizadores para discutir as questões levantadas por esta Iniciativa Cidadã Europeia (ICE).

Os promotores da iniciativa agradeceram "calorosamente" a todas as organizações que promoveram o projeto Um de Nós em toda a Europa, "conseguindo este sucesso cívico extraordinário".

Graças aos apoios recebidos, será possível apresentar "uma proposta de reforma legislativa para a defesa da vida humana desde as primeiras etapas do seu desenvolvimento", reconhecer "a personalidade jurídica do embrião humano" e acabar "com o financiamento europeu às atividades que acarretam a destruição de embriões humanos".

Os organizadores definiram como "fonte de alegria e de esperança o fato de ver as Igrejas católica, ortodoxa e protestantes unidas na promoção do bem comum". Em todos os momentos houve "apoio" e "parceria" entre essas Igrejas.

Dom Piotr Mazurkiewicz, oficial do Pontifício Conselho para a Família, também destaca o caráter ecumênico e inter-religioso da iniciativa. "A cooperação entre os movimentos pró-vida em toda a Europa e entre os cidadãos europeus que se mobilizaram para a campanha Um de Nós é ecumênica em si mesma", afirma Mazurkiewicz. "Ela reuniu católicos, protestantes e ortodoxos e também os muçulmanos e organizações não vinculadas a nenhuma religião".

Para o oficial do Pontifício Conselho para a Família, esta ação de democracia participativa dos cidadãos europeus "estabelece uma nova identidade de uma Europa unida: uma Europa a favor da vida concreta e na defensa dos seres humanos sem discriminação".

Com esta Iniciativa Cidadã Europeia, os cidadãos participantes pedem que a União Europeia "assegure o respeito à dignidade do embrião humano desde o momento da concepção" e "modifique determinados atos legislativos da União para acabar com o financiamento de atividades que acarretam a destruição de embriões humanos, em particular nos âmbitos de pesquisa, de ajuda ao desenvolvimento e de saúde pública".

O alcance da reivindicação Um de Nós se limita aos âmbitos de competência da União Europeia, dos quais está excluído o aborto, cuja regulamentação permanece como competência exclusiva de cada país membro.