Vai e não peques mais

Diálogo e oração olhando para o espelho cristalino da Palavra de Deus

Belém do Pará, (Zenit.org) Dom Walmor Oliveira de Azevedo | 947 visitas

Desejo encontrar-me com os pecadores, os marginalizados, os que precisam de conversão, os presos, drogados, ladrões, assassinos. Quero também visitar aquelas pessoas que não são ou não se sentem tão “pecadores públicos”. A todos os que se reconhecem frágeis pelo mundo afora, entro na casa de seu coração para desejar-lhes a paz que vem de Jesus Cristo (cf. Mt 10,12). Começo meu diálogo e minha oração olhando para o espelho cristalino da Palavra de Deus, colocando-me no centro, sabendo, junto com São Paulo, que “é digna de fé e de ser acolhida por todos esta palavra: Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o primeiro. Mas alcancei misericórdia”. (I Tm 1,15-16).

Senhor Jesus, um dia encontraste uma mulher adúltera (Jo 8,1-11), candidata ao apedrejamento. Aconteceu ali a maravilhosa história, na qual os homens e mulheres de todos os tempos podem se aventurar. Agradeço-te pelo teu olhar sincero, com qual desmontaste as tramas dos acusadores daquela pobre mulher. Contemplo em teu amor a linda história que preencheu de alegria o dia de minha ordenação episcopal, quando ouvi o relato de uma antiga prostituta, trazendo-me de presente um verdadeiro ramalhete de graças: “Vinte e cinco das minhas antigas companheiras deixaram a prostituição porque você tinha dito que Maria conduz o povo para uma terra onde todos têm valor!” Eram fatos de muitos anos passados! Os méritos são teus, Filho Amado da Mãe bendita entre todas as mulheres da terra.

Louvo-te, Senhor, porque tudo o que me ensinaste quando me puseste em contato com os jovens e adultos drogados, desejosos de encontrar uma estrada nova na vida. Obrigado porque eles aprenderam, na graça chamada “Fazenda da Esperança”, que há um só caminho para sair de qualquer droga existente na face da terra, mesmo aquelas que não têm tal nome: viver a palavra do Evangelho, dar o passo do amor ao próximo e partilhar com abertura de alma as experiências positivas. Como já plantaste o bem no coração de cada pessoa humana, sei que o resto será sempre feito tão somente por ti. Obrigado porque este segredo se espalha pela terra, para a cura de tantos vícios!

  Agradeço-te pelos dedos com que escreveste na areia, pedindo-te que as histórias dos pecados sejam sempre submetidas ao vento do Espírito, que apaga todas as tenebrosas histórias contadas nas páginas policiais da história. Entra no coração dos que só propagam o mal! Peço-te que entres, com tua graça, em todos os recantos de nossa cidade e do mundo, vielas ou avenidas em que prospera a maldade e a injustiça. Bem amado de nossa alma (cf. Cântico dos Cânticos 3-4), sai pelas ruas do mundo, para fazer de cada alma uma pessoa amada. Como em ti tudo foi criado, desperta no coração de cada pessoa o plano de Deus a respeito de sua vida!

Apresento-te, Cordeiro Imaculado que tiras o pecado do mundo, as fraquezas das pessoas que hoje pensam não ser capazes de se levantarem da lama. Peço-te a graça do encontro com algum dos teus discípulos ou discípulas, capazes de acender a chama da esperança para todas elas. Olha para as pessoas que foram feridas pelo escândalo provocado pelos cristãos. Varre com tua presença salvadora a sujeira da maldade e do fingimento, presente nos corações dos que dizem professar a fé. Purifica as intenções, faze puros os corações e limpas as mãos (cf. Sl 24).

Apresento-te, Senhor Jesus, tantas crianças e jovens iniciados no crime pelas nossas ruas. Tem presente em teu amor misericordioso os pequeninos cujos olhares se tornam tão cedo furtivos e medrosos. Limpa-os com um novo colírio (cf. Ap 2,19) para recobrarem a inocência de seus olhos. Lava na fonte que brota de teu lado aberto as roupas sujas de todos nós, pela força de teu amor misericordioso.

Senhor, quando a mulher adúltera se viu diante de ti, depois de se afastarem todos os acusadores, tu não a condenaste, mas abriste o horizonte para todos os que depois dela se experimentaram pecadores e frágeis: “Nem eu te condeno. Podes ir e de agora em diante, não peques mais” (Jo 8,11). Tu não te acomodas com nenhum pecado. Já que “tiras o pecado do mundo”, podes amar os pecadores e abominar o pecado. Dá-nos, pois, repulsa a todo tipo de maldade e pecado! Esquadrinha, nestes dias de Quaresma, o mais íntimo de nossos corações, para que se faça luz e a misericórdia vença o pecado.

Faze de tua Igreja, conduzida pelo sucessor de Pedro, mensageira e portadora da paz e do perdão. Que seja corajosa na proclamação da verdade do Evangelho e cheia de mansidão para ir ao encontro dos pobres e pecadores. Dá-lhe a graça, na nova etapa que se inicia em sua história maravilhosa, de submeter à força de tua Palavra, que é a Verdade, todas as pessoas e estruturas empenhadas na Evangelização. Concede a todos os cristãos a certeza da força redentora de teu Evangelho. Saibamos cantar com toda a força de nossa alma: “Vitória, tu reinarás, ó Cruz, tu nos salvarás! Brilhando sobre o mundo, que vive sem tua luz, tu és um sol fecundo de amor e de paz. Aumenta a confiança do pobre e do pecador, confirma nossa esperança na marcha para o Senhor. À sombra dos teus braços a Igreja viverá, por ti, no eterno abraço, o Pai nos acolherá. Vitória, tu reinarás, ó Cruz, tu nos salvarás”.

Dom Alberto Taveira Corrêa

Arcebispo Metropolitano de Belém