"Vamos deixar que Deus escreva a nossa história"

Depois da missa, o papa Francisco recebe os cumprimentos de aniversário de quatro sem teto e dos funcionários da Casa Santa Marta

Roma, (Zenit.org) Luca Marcolivio | 454 visitas

É um dia diferente na Casa Santa Marta. É o dia do 77º aniversário do seu inquilino mais famoso. O papa Francisco celebrou a missa desta manhã com a presença de todo o pessoal da casa. A eucaristia foi concelebrada com o cardeal Angelo Sodano, decano do Colégio de Cardeais.

No final da missa, o Secretário de Estado Vaticano, dom Pietro Parolin, apresentou ao papa os parabéns em nome de todos os seus colegas da Secretaria de Estado. Dom Konrad Krajewski, esmoleiro de Sua Santidade, apresentou a Francisco quatro convidados sem teto.

O encontro terminou com um coro de parabéns entoado por todos os presentes. Logo em seguida, o papa Francisco foi tomar café da manhã acompanhado por todos os participantes da missa.

Na homilia, falando sobre o evangelho de hoje (Mt 1,1-17), que descreve a genealogia de Jesus, o Santo Padre brincou: "Já ouvi alguém dizer que esta passagem do evangelho parece a lista telefônica".

Mas ela é, explicou o papa, uma passagem importante, que nos lembra que "Deus se tornou história" e que Jesus é "consubstancial ao Pai", mas também "consubstancial à Mãe", a Virgem Maria.

Depois do pecado original, disse o papa, Deus quis "trilhar o caminho conosco", a partir de Abraão, passando por Isaac e Jacó, até chegar a cada um de nós.

"Deus não queria vir nos salvar sem história. Ele quis fazer história conosco", uma história "que vai do pecado à santidade" e na qual há "tanto santos quanto pecadores".

Deus também fez história com "os grandes pecadores", com aqueles que "não responderam a tudo o que Deus pensou para eles", como "Salomão, tão grande, tão inteligente, e que terminou, coitado, sem nem saber como se chamava".

É como se Deus pegasse o nosso nome para transformá-lo no "seu sobrenome" e assim poder dizer: "Eu sou o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó, de Pedro, de Marieta, de Armony, de Marisa, de Simão, de todos".

Em certo sentido, Deus "nos deixou escrever a sua vida", seguindo "a nossa história de graça e de pecado". Isso mostra "a humildade de Deus, a paciência de Deus, o amor de Deus", que comove.

Ao chegar o Natal, “se Ele fez a sua história conosco, se Ele adotou o nosso nome como seu sobrenome, se Ele nos deixou escrever a sua história, vamos deixar pelo menos que Ele escreva a nossa história".

A santidade consiste precisamente em deixar que "Deus escreva a nossa história", concluiu o pontífice.