Vaticano quer defender o direito à privacidade do Papa

A publicação de documentos confidenciais é "Ato Criminoso"

| 1176 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta- feira, 23 de maio de 2012(ZENIT.org) O Vaticano está tentando proteger o direito do Papa à privacidade depois que documentos e correspondências privadas da Santa Sé entre o Papa e seus colaboradores foram publicados.

"A nova publicação de documentos da Santa Sé  e documentos particulares do Santo Padre já não aparece como  questionável - embora, obviamente, difamatório - iniciativa jornalística, mas assume claramente as características de um ato criminoso",afirmou  nesta segunda-feira  uma declaração da imprensa do Vaticano.

No sábado, o jornalista italiano Gianluigi Nuzzi lançou um livro intitulado "Sua Santidade", que divulga a correspondência confidencial de e para o Santo Padre e seu secretário pessoal.

Esta foi uma afronta, acrescentou, depois de uma série de documentos vazados anteriormente, o que levou o pontífice em abril, a estabelecer uma comissão de cardeais para investigar o problema.

"O Santo Padre e alguns de seus colaboradores, bem como os remetentes das mensagens endereçadas a ele, tiveram seus direitos individuais à privacidade e liberdade de correspondência violados",  lamentou o Vaticano na declaração da segunda-feira. 

"A Santa Sé continuará a investigar os vários aspectos das violações da privacidade e dignidade do Santo Padre , tanto como indivíduo como autoridade suprema da Igreja e da Cidade do Vaticano, e tomará as medidas necessárias para garantir que os responsáveis ​​pelo roubo, manipulação e divulgação de informações secreta, e da utilização comercial de documentos privados, ilegitimamente adquiridos e detidos, respondam à justiça por seus atos. Para este fim, será, se necessário, pedido a colaboração internacional ".