"Vemos, ouvimos e lemos - Não Podemos Ignorar"

Petição da Federação Portuguesa pela Vida debatida em plenária da Assembléia da República

| 889 visitas

Lisboa, quinta-feira, 05 de julho de 2012(ZENIT.org) – Aconteceu hoje a reunião plenária da Assembléia da República, para debater a Petição “Vemos, ouvimos e lemos – Não podemos ignorar” entregue pela Federação Portuguesa pela Vida em Fevereiro de 2011.

A iniciativa da Federação Portuguesa pela Vida pede aos deputados que se reveja a regulamentação desta prática, “por forma a saber se o consentimento foi realmente informado e a garantir planos de apoio alternativos ao aborto”, informou a Agência Ecclesia.

A Lei nº 16/2007, sobre a ‘Exclusão da ilicitude nos casos de interrupção voluntária da gravidez’, determina “um período de reflexão não inferior a três dias a contar da data da realização da primeira consulta destinada a facultar à mulher grávida o acesso à informação relevante para a formação da sua decisão livre, consciente e responsável”.

A petição apela ainda a critérios de “bem comum” para a gestão dos “escassos recursos” do país, pedindo que se “deixe de ‘cobrir de dinheiro’ o aborto”.

A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) registou um total de 18 827 abortos em Portugal ao longo de 2011 e propõe o pagamento de uma taxa moderadora nestas situações para moralizar o acesso às intervenções.

Segundo o relatório de 2011 do organismo estatal, a IGAS detectou que o número de interrupções da gravidez que consta do relatório da Direção Geral da Saúde (DGS) não coincide “na maioria das situações” com o número facultado pelas entidades inspecionadas.

A inspeção-geral defende a instituição de “mecanismos que permitam detectar e controlar” os abortos recidivos, referindo que “seria de equacionar o pagamento de uma taxa moderadora, que terá um efeito moralizador no acesso” à intervenção, continuou a nota da Agência Ecclesia.

Veja a Petição:

http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/Paginas/DetalhePeticao.aspx?BID=12087