"Venezuela pede que o mundo se convença de que o país sofre", diz Presidente da Conferência Episcopal

Entrevista com o Presidente da Conferência Episcopal Venezuelana, Dom Diego Padrón Sánchez

Roma, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 265 visitas

Na semana passada o mundo acompanhou, principalmente por meio das redes sociais - fotos e vídeos - um verdadeiro campo de batalha entre civis e a guarda Nacional em terras de Nossa Senhora de Coromoto, Venezuela.

O líder da oposição, Leopoldo Lopez, foi preso, dois padres salesianos assassinados, uma jovem modelo morta, entre outras inumeráveis atrocidades que se escuta e se ouve dos mesmos cidadãos venezuelanos através da internet.

ZENIT entrou em contato com o Presidente da Conferência Episcopal Venezuelana, Dom Diego Padrón Sánchez, Arcebispo de Cumaná, que nos contou um pouco mais sobre a situação no país.

Leia a entrevista abaixo:

***

ZENIT – De todos os cantos do planeta estamos acompanhando, principalmente através da internet, o que está acontecendo na Venezuela. Como os católicos estão vivendo esses momentos de tensão dentro de sua nação?

Dom Diego Padrón Sanchez: Os católicos, como a maioria dos cidadãos, estão vivendo um momento de grande tristeza e angústia. São testemunhas, muitos em carne própria, da violência assassina e do medo que ela gera, mas, ao mesmo tempo, os católicos têm fé nos valores humanos e espirituais do povo e, principalmente, fé em que Deus iluminará os governantes e os líderes para tirar o país da tormenta em que se encontra. Por isso, o povo católico está rezando com muita devoção e confiança.

ZENIT: Realmente toda a guerra que estamos vendo na mídia é verdadeira? Venezuela está vivendo um caos geral?

Dom Diego Padrón Sanchez: A violência na Venezuela não é um conto. São muitíssimas as famílias que choram por um filho ou um familiar morto por um assalto. Há poucos dias, dois adolescentes mataram dois sacerdotes anciãos em uma casa religiosa e feriram gravemente o Superior. Não há guerra civil, mas em 2013 morreram quase 25 mil pessoas no país por causa da violência.

ZENIT: Como é que um sacerdote ou um bispo podem atuar nestes momentos para não abandonar o seu povo?

Dom Diego Padrón Sanchez: Os sacerdotes e bispos estamos no mesmo nível do povo. Com todo o povo sofremos a falta de luz, de alimentos e de segurança pessoal. A partir das paróquias e comunidades e a partir da Conferência Episcopal os sacerdotes e bispos acompanhamos o povo e o animamos a manter viva a esperança. Cremos que o povo tem a capacidade e a virtude que lhe permite superar a crise, que é, antes de mais anda, uma crise de valores.

ZENIT: O que vocês gostariam de pedir para os católicos do mundo neste momento? E se pudessem pedir algo ao Papa Francisco, o que pediriam?

Dom Diego Padrón Sánchez: Os católicos pedimos ao mundo que se convença de que a nossa sociedade sofre. Ao Papa Francisco agradecemos a sua preocupação por Venezuela e lhe pedimos que com a sua palavra e a sua benção nos ajude a buscar a reconciliação e a Paz.