Vietnã: terror obriga católicos a se refugiarem na Tailândia

Agentes policiais confiscam caixão de uma mulher em seu enterro

| 1512 visitas

BANGUECOQUE, sexta-feira, 27 de agosto de 2010 (ZENIT.org) - Diante de um clima de terror predominante em sua localidade, cerca de 40 fiéis da paróquia de Con Dao fugiram do Vietnã para pedir abrigo na Tailândia, informou nesta quarta-feira Englises d'Asie (EDA), agência das missões estrangeiras de Paris.

Jornalistas da Radio Free Asia contactaram - na diocese vietnamita da Da Nang - um grupo de católicos procedentes da paróquia de Con Dao que não podiam suportar mais o clima de terror estabelecido em sua localidade após os  acontecimentos do dia 4 de março.

Nesse dia, agentes de segurança impediram, com grande violência, um cortejo fúnebre de ter acesso ao cemitério e confiscaram o caixão que continha o corpo de uma moradora da cidade, Maria Tan.

Diversos membros do cortejo fúnebre ficaram feridos. Outros muitos foram apreendidos, 8 dos quais continuam presos.

A polícia submeteu muitos dos acompanhantes do cortejo fúnebre a interrogatórios, acompanhados de maus tratos.

Segundo informações recolhidas pelos jornalistas, o grupo de católicos abandonou clandestinamente a paróquia durante o mês de maio para se refugiar na Tailândia.

Entre estas pessoas que perderam a moradia, há homens, mulheres e crianças. O mais velho tem 70 anos e o mais novo está na idade de frequentar o berçário. Alguns chegaram acompanhados de membros de sua família; outros, sozinhos.

Por medo da polícia, os refugiados de Con Dao vivem temporariamente quase clandestinamente, em casas alugadas. Por falta de meios e por seu desconhecimento da língua, vivem este momento de forma muito precária.

Todos buscam encontrar representações do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para solicitar o direito de abrigo e também tentar atrair a atenção de diversas associações humanitárias internacionais sobre seu caso.

Os refugiados, que não revelaram sua idade para evitar prejudicar seus familiares que ficaram no Vietnã, declararam aos jornalistas que seu único objetivo é encontrar um país que lhes conceda residência e lhes permita exercer seu direito de liberdade, especialmente a religiosa.

Desde o ano passado, a paróquia de Con Dao - suas casas, seus terrenos de cultivo (centenas de hectares ao todo) - fazem parte de um território no qual o município de Da Nang decidiu criar uma vasta área de novas construções financiadas por investidores estrangeiros.

Apesar das pressões exercidas desde o último mês de janeiro, a maioria da população da paróquia se negou a deixar este lugar conquistado naturalmente por seus antepassados.

A situação se agravou notavelmente em 4 de março, após a ação policial contra o cortejo fúnebre de Maria Tan.

O clima não deixou de piorar. Em 3 de julho, durante a tarde, um dos membros do serviço de organização dos funerais de 4 de março, Nguyên Thanh Nam, perdeu a vida após ser espancado por um miliciano enquanto tentava escapar.

Nos dias anteriores, havia sido repetidamente interrogado e maltratado pela polícia. Após sua morte, a pressão policial se agravou e a população foi impedida de participar dos funerais, que são realizados de forma muito discreta.