Visita do papa ao Líbano favorecerá a primavera cristã no Oriente Médio

Sínodo dos Bispos: patriarca de Antioquia dos Maronitas destaca o diálogo com o islã

| 910 visitas

Béchara Boutros Raï

CIDADE DO VATICANO, sábado, 20 de outubro de 2012 (ZENIT.org) - Disponibilizamos abaixo a intervenção de Sua Beatitude Béchara Boutros Raï, OMM, patriarca de Antioquia dos Maronitas, chefe do Sínodo da Igreja Maronita, durante a Décima Congregação Geral do Sínodo dos Bispos, em 13 de outubro de 2012.

***

De acordo com o instrumentum laboris, números 56 e 57, o diálogo inter-religioso está plenamente integrado na nova evangelização. Vou me restringir aqui ao diálogo com o islã nos países árabes. Este diálogo é evocado pelos novos atores econômicos, políticos e religiosos presentes no cenário mundial.

É um diálogo específico, conforme descrito na exortação apostólica Ecclesia in Medio Oriente, que o Santo Padre assinou em 15 de setembro, por ocasião da sua visita ao Líbano: "Este diálogo no Oriente Médio é baseado nos laços espirituais e históricos que unem os cristãos aos judeus e aos muçulmanos. Este diálogo, que não é ditado primariamente por considerações pragmáticas de ordem política ou social, repousa principalmente em bases teológicas que desafiam a fé [...] São claramente definidas na declaração sobre as relações da Igreja com as religiões não cristãs, a Nostra Aetate" (número 19).

A evangelização nos países árabes é implementada de maneira indireta, nas escolas católicas, nas universidades, nos hospitais e nas instituições que pertencem às dioceses e às ordens religiosas, sejam elas abertas aos cristãos ou aos muçulmanos.

A evangelização indireta é praticada principalmente através dos meios de comunicação social, particularmente os meios católicos, que transmitem as celebrações litúrgicas e vários programas religiosos. Notamos que, entre os muçulmanos, acontecem conversões secretas ao cristianismo.

Os discursos pronunciados pelo Santo Padre no Líbano e a exortação apostólica Ecclesia in Medio Oriente favorecerão o advento da "primavera do cristianismo", que levará, pela graça de Deus e graças a uma nova evangelização iluminada, a uma verdadeira "primavera árabe" da democracia, da liberdade, da justiça, da paz e da defesa da dignidade de cada homem, contra todas as formas de violência e de violação dos direitos.


[Trad.ZENIT]