Volta ao mundo a pé pela unidade dos cristãos

Entrevista a Samuel Clear, missionário australiano

| 613 visitas

ROMA, segunda-feira, 16 de junho de 2008 (ZENIT.org).- Samuel Clear, de 29 anos, nascido na Tasmânia, Austrália, empreendeu uma viagem a pé ao redor do mundo caminhando - e rezando - pela unidade dos cristãos.

Começou no Brasil em dezembro de 2006 e percorreu aproximadamente 18 mil quilômetros. Ele conta nesta entrevista concedida a Zenit a motivação que o levou a viver esta experiência.

Samuel Clear percorreu de sul a norte toda a América Latina, até chegar ao Canadá; posteriormente viajou de avião para a Europa para terminar sua aventura. Atualmente, está concluindo sua longa viagem na Espanha para voltar à Austrália e participar da Jornada Mundial da Juventude, onde o esperam para ouvir seu testemunho e compromisso pela unidade dos cristãos.

-Samuel, qual o motivo de sua caminhada?

-Clear: O que estou fazendo agora é caminhar ao redor do mundo, rezando pela unidade dos cristãos. Caminho e rezo, simplesmente. Paro em todas as igrejas que encontro em meu caminho: ortodoxas, pentecostais, protestantes, evangélicas e estendo o convite a rezar pela unidade.

-Qual foi a inspiração que o levou a realizar esta longa viagem?

-Clear: Sou engenheiro mecânico, mas não exerci muito minha profissão. Ao contrário, trabalhei como missionário na Austrália durante cinco anos e estou há dois anos a pé pelo mundo, então no total são 7 anos como missionário.

No começo, na Austrália, comecei a ver muita divisão dentro das igrejas, particularmente como missionário católico, inclusive fui agredido seriamente, não por ser «cristão», mas porque era «católico».

Mas muitos dos problemas que as pessoas tinham corrido por serem católicas não eram só verdade, eram verdade e meia. O que realmente me abalou foi quando um pentecostal e um evangélico se converteram ao catolicismo e os dois perderam sua família e amigos porque se converteram e seus amigos e família acreditavam que tinham desonrado Cristo desta forma.

Nesse momento, creio, houve uma sensação de dor de Cristo pela Igreja dividida, e não pude deixá-la ir e continuar culpando-me por dentro e por muito que tentei esquecer, não pude, até o ponto em que decidi que tinha de fazer algo, mas me dei conta de que não havia nada que pudesse fazer, não podia resolver, e como engenheiro mecânico gosto de resolver problemas, mas não podia. Até que um dia estava ajoelhado na missa rezando: «Senhor, gostaria muito de ajudar-te, mas sinto muito, amigo, está por tua conta. Não posso ajudar-te». E uma vez que me calei, que fiquei em silêncio, senti que o Senhor dizia: «Sabe, Samuel, você tem razão. Você não pode resolver, mas eu sim. Preciso que você reze».

-Como começou a viagem?

-Clear: Desde então, essa foi a missão, rezar: rezar pela unidade e convidar a rezar pela unidade. Até que um dia, eu estava olhando um mapa e pensei que eu sozinho podia caminhar, realmente queria fazer algo mais que rezar e convidar a isso.

Assim, um ano depois de planejar e de encontrar meu bispo e diretor de missão onde trabalhava naquele momento, tomamos a decisão do que eu faria; vendi tudo e comecei a caminhar.

Samuel conta com um site, http://www.ymt.com.au/walk4one/, no qual as pessoas podem acompanhar seu percurso e unir-se às suas intenções.